90% dos empresários do turismo pretendem…

Quase 90% dos empresários do setor de turismo devem expandir os investimentos na área. É o que aponta a Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo (Pacet), encomendada pelo Ministério do Turismo à Fundação Getulio Vargas (FGV).

Nos segmentos de transporte aéreo, locadoras de automóveis e operadoras de turismo, todos os entrevistados afirmaram que realizarão investimentos. A expectativa também é elevada nas áreas de meios de hospedagem (94%), promotora de feiras (82%) e agência de viagens (82%).

Para 81% dos entrevistados, a expectativa é de crescimento, amparado pela perspectiva de retomada da economia e aumento no número de brasileiros viajando pelo País. Ainda segundo o estudo, 14% dos entrevistados acreditam na estabilidade e apenas 5% na redução do mercado. A pesquisa ouviu representantes das 80 maiores empresas de turismo do País.

“Os resultados comprovam que o turismo é uma atividade com grande potencial para colaborar com a melhoria do cenário econômico do País neste momento delicado. No Ministério do Turismo, estamos trabalhando arduamente para proporcionar o melhor ambiente de negócios para a atração de investimentos no setor”, afirmou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

Na última semana, o MTur lançou o Brasil + Turismo, um pacote com medidas para desburocratização do setor e geração de emprego e renda por meio do Turismo.

Faturamento

O percentual médio de investimento em relação ao faturamento deve ser de 6,2% em 2017. As locadoras de automóveis pretendem fazer os maiores investimentos (23,8%), seguidas de organizadoras de eventos (8,7%) e meios de hospedagem (8,2%).

Em relação ao faturamento consolidado, a expectativa é de um crescimento de 7,4% em relação a 2016. O cenário mais positivo é identificado nas operadoras de turismo (14,5%), locadoras de automóveis (12,8%) e agências de viagem (11,5%).

Em um cenário de altas taxas de desemprego, a boa notícia é que o mercado de trabalho deverá apresentar um leve crescimento de 0,2%, com alta nos segmentos de organizadora de eventos (4,7%), agências de viagens (2,3%) e transporte aéreo (1%). Dentro desse cenário, o Ministério do Turismo acaba de lançar a plataforma tecnológica de aprendizado a distância “Brasil Braços Abertos”, com oferta de 80 horas de aulas on-line.

No ano passado, os segmentos pesquisados registram um pequeno crescimento de 0,3%. Os melhores resultados de faturamento foram observados nas empresas organizadoras de eventos (18,6%), locadora de automóveis (6,2%), meios de hospedagem (5,1%).

Em relação ao quadro de pessoal, foi registrada uma queda de 5,9%. As maiores reduções foram observadas nas agências de viagens (17,8%) e operadoras de turismo (11,2%).

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Turismo

Deixe uma resposta